Capa

Senna, 4º, é o melhor brasileiro em Watkins Glen

Bruno Senna
(Divulgação/MF2)

Toque por trás tira carro da United Autosports da luta pela vitória nos EUA

01.07.2018  |  278 visualizações

SÃO PAULO -  O 4º lugar nas 6 Horas de Watkins Glen foi o melhor resultado entre os cinco brasileiros que disputaram neste domingo a terceira etapa do Campeonato Norte-Americano de Endurance, mas nem de longe serviu de consolo a Bruno Senna. Depois de liderar boa parte da prova junto com os companheiros britânicos Paul Di Resta e Phil Hanson, o Ligier LMP2 perdeu as chances de brigar pela vitória depois de receber um toque por trás do Oreca conduzido por Collin Brown quando defendia a segunda colocação a apenas dois segundos do ponteiro. “Foi um absurdo. O Di Resta levou uma pancada por trás e não aconteceu nada com quem bateu”, reclamou Bruno. A vitória ficou com outro Oreca, dividido por Stephen Simpson, Misha Goikhberg e Chris Miller.

 

Bruno não economizou críticas à direção de prova, que terminou com 10 dos 16 protótipos da classe principal com o mesmo número de voltas – 202. “Fiquei um tempão atrás do Oliver Jarvis, que estava atrasado, e nada de bandeira azul para ele sair da frente. O Di Resta também ficou preso e não fizeram nada. É muito difícil correr nos Estados Unidos porque toda vez que venho aqui acabo passando por algum tipo de problema como esse”, relatou.

 

Mesmo inconformado com o desfecho de uma corrida em que as possibilidades de vitória deram claras – em função do toque, Di Resta foi obrigado a fazer uma parada não prevista para trocar um pneu que perdia pressão e realizar reparos na traseira -, Bruno reconheceu que a equalização dos motores introduzida em Watkins Glen deu resultado. “Para nós, que não vínhamos bem, o balance of performance funcionou. E os Cadillac perderam desempenho”, lembrou. Segundo Bruno, no entanto, a filosofia vigente no automobilismo norte-americano também pesou. “Eles gostam de acionar a bandeira amarela para reagrupar os carros e fazer com que as provas terminem com os carros o mais próximo possível, pensando mais no espetáculo e menos no aspecto esportivo.”

 

Os melhores das 6 Horas de Watkins Glen:

 

1 – Stephen Simpson, Misha Goikhberg e Chris Miller, Oreca LMP2, 202 voltas

2 – Romain Dumas, Jonathan Bennett e Collin Brown, Oreca LMP2, a 1s954

3 – Juan Pablo Montoya e Dane Cameron, Acura DPi, a 2s096

4 – Bruno Senna, Paul Di Resta e Phil Hanson, Ligier LMP2, a 9s283

5 – Jordan Taylor e Renger Van der Zende, Cadillac DPi, a 12s158

6 – Filipe Albuquerque, Christian Fittipaldi e Gabby Chaves, Cadillac DPi, a 12s617

7 – Felipe Nasr, Mike Conway e Mike Curren, Cadillac DPi, a 12s817

8 – Simon Trummer, Robert Alon e Nelson Panciatici, Oreca LMP2, a 20s655

9 – Will Owen, Gustavo Yacaman e Sebastian Saaavedra, Ligier LMP2, a 1min00s247

10 - Harry Tincknell, Jonathan Bomarito e Spencer Pigot, Mazda DPi, a 1min13s100

 

Márcio Fonseca (MTb 14.457)

 

Leia também...

23.02.2020

WEC: Senna conquista vitória completa no Texas

Rebellion funciona como relógio suíço e bate Toyota nas 6 h de Austin

23.02.2020

WEC: Senna e parceiros saem na pole no Texas

Trio da Rebellion supera duas Toyota em busca da primeira vitória no ano

15.12.2019

WEC: Senna admite pódio frustrante no Bahrein

Choque logo depois da largada comprometeu chances de aproveitar a pole

13.12.2019

Senna "voa" no Bahrein e conquista nova pole no WEC

Luta agora é pela segunda vitória seguida no Mundial de Endurance

Entre em contato